De braços abertos

E, compadecido dele, correndo, o abraçou e beijou.
Lucas 15.20



Amo meu filho, mas confesso que nem sempre tenho paciência com ele e muitas vezes acabo brigando com ele até mesmo sem merecer e ele todo tristinho vai correndo para o sofá e fica lá sem reclamar.
Meu coração de mãeteiga  ao vê-lo assim se derrete e mais que depressa vou até ele peço desculpa e lhe encho de beijos e ele sem ressentimento sempre me recebe de braços abertos.

O filho pediu ao seu pai a parte da herança que lhe era devida e de posse da herança e seguiu para uma terra e lá viveu como bem quis e gastando tudo que tinha e sem dinheiro passou por grandes privações e depois de muito padecer decidiu voltar para casa.
Este jovem tinha consciência do mal que tinha feito ao seu pai e não esperava ser recebido bem e muito menos ser tratado como filho por ser pai, mas mesmo sabendo disso ele decide voltar e se seu pai o recebesse como um trabalhador qualquer já estava bom.  
Ele seguiu rumo ao velho lar e quando se aproximou de longe seu pai o avistou saindo correndo em sua direção e ao chegar perto do filho amado o abraça e o beija colocando de uma vez por toda um ponto final em todo passado, mas o jovem  ao ver seu pai assume seus erros e diz que não era digno de perdão, mas no coração desse pai não tinha espaço para o ressentimento e com coração cheio de amor ele decide celebrar a volta do seu filho para o lar.

O amor é benigno e não se ressente do mal e através da vida deste pai aprendemos que ressentimento, rancor, magoa não fazem parte de Deus e quisermos ser dEle e permanecer no Seu amor temos que ser como Ele.


Seu nome era Gratidão

Em tudo daí graças, pois essa é a vontade Deus em Cristo Jesus para convosco.
1Ts 5.18


Já era noitinha por voltas das dezenove horas voltava do mercado com meu esposo. Vínhamos caminhando tranquilamente sem presa ou preocupações o papo gostoso fazia com que caminho ficasse mais curto e logo chegaríamos em casa.

Assim que cruzamos a esquina de casa aos uns vinte passos a nossa frente vi um homem com vestes bem simples fuçando o lixo em busca de algo que poderia lhe render algum dinheiro. Continuamos a caminhar, pois aqui tem muitos catadores de reciclagem este homem era mais um entre os tantos que vemos pelo caminho, mas para minha surpresa este homem não era apenas mais um em meu caminho ele seria alguém que deixaria uma marca em mim.

Avançamos em sua direção e a medida que fomos nos aproximando o assunto entre eu e meu esposo cessou e o silêncio reinou entre nós e calada passei ao lado deste homem e foi neste instante que vi quando em meio ao monte de  lixo ele achou um saco transparente cheio de latinhas de alumínio e ele ao pegar este saco em suas mãos com a força de toda a sua alma disse: Obrigada Jesus!
Ele não viu quando cheguei perto e nem sequer percebeu que passei ao seu lado, mas eu pude perceber pelo som de sua voz tamanha era a alegria e gratidão que sentia, pois por certo ter achado aquelas latinhas lhe ajudaria muito naquele momento.

Essa frase mudou a minha noite e eu já não conseguia pensar em mais nada era como um eco dentro de mim e um turbilhão de emoção tomou conta e as lágrimas começaram a jorrar do meus olhos e eu chorei, chorei muito, chorei alto, chorei com toda a minha alma e seguindo o meu caminho a única palavra que saia dos meus lábios foi um pedido de perdão ao Pai  por ser tão ingrata, por Ele me dar tanto e eu não dar o devido valor, por nem sempre estar contente com que tenho e sempre reclamar.

Cheguei em casa mexida, pois essa frase não mudou só a minha noite, mas mudou algo dentro de mim, pois entendi que ser grata a Deus não é apenas reconhecer  e  agradecer a Ele pela bênçãos recebidas,mas vai além, ser grato é jamais RECLAMAR e nem desdenhar o que se tem.Gratidão é saber que o que se tem seja pouco ou muito é um presente de Deus para nós.

Eu não sei quem era este homem, qual o seu drama, a sua história, mas de uma coisa eu sei,  seu nome era Gratidão.







Paz em meio à tormenta

Chegando-se a ele, despertaram-no dizendo: Mestre,
Mestre, estamos perecendo!
Lucas 8.24


Já vivi alguns invernos, já enfrente dias bem frios e também algumas tempestades e em Jesus eu tudo venci, pois a tempestade passou, a primavera chegou e eu mais uma vez floresci.
Mas a vida é feita de tempos e estações e quando menos esperamos o inverno surge e as folhas novamente murcham e caem e as chuvas fortes assolam outra vez.

Era só mais uma viagem pelo mar da galiléia, era uma noite como outra qualquer e o destino chegar a outra margem. 
Tudo parecia tranquilo, Jesus dormia na polpa do barco, os discípulos seguiam o plano tudo caminhava bem. Mas quando estava em alto mar foram surpreendidos por uma grande tempestade, as ondas gigantes varriam o barco e a fúria do vento soprava contra eles, tudo estava dando errado, a paz acabou o medo e a angustia tomaram conta do coração e pensaram que iriam perecer, mas em meio à tormenta buscaram o Senhor e clamaram por socorro e por Ele foi socorrido.

Na vida enfrentamos grandes tempestades com ondas gigantes e ventos bem fortes (problemas) que tiram a nossa paz e nos traz medo.

Mas através da vida dos apóstolos aprendo que a paz não está em não ter tempestades, fases difíceis. A paz não está em um mar sem ondas, em chuva sem vento, mas a paz está em Jesus, em ter a certeza que assim como discípulos podemos até estar vivendo tempos difíceis, mas é certo que não vamos afundar e nem perecer, vai dar tudo certo, pois Jesus é nossa água tranquila, o cicio suave e mesmo que esteja um temporal lá fora nEle tudo está e permanecerá tranquilo e por isso não há o que temer.

Ainda que as águas tumultuem e espumejem¹ Deus continua sendo Deus, Ele está no controle e nEle confiarei.



_________
¹ Salmo 46.3


Limpando a janela

O Senhor, meu Deus, derrama luz em minhas trevas.
Salmo 18.28


Dias desses sentada no meu quarto fui surpreendida pelo meu filho com um beijo e este desenho.
Confesso que fiquei surpresa e logo perguntei a ele: Esta aí do desenho sou eu? E o que estou fazendo? E ele com sorriso radiante e pureza com só uma criança tem me respondeu: Ué é você e está limpando os vidros da janela.
Sorri para ele e retribuí o beijo e então ele voltou para suas brincadeiras. 
Confesso que não entendi porque ele me desenhou assim limpando as janelas, mas sei que nada é por acaso e penso que Deus usa das coisas mais diferentes para falar conosco.

Certa vez de madrugada Jesus foi até o templo e assentando lá estava a ensinar quando veio até Ele alguns homens que traziam consigo uma mulher pega em adultério e queriam saber dEle o que deveriam fazer com ela, pois eles sabiam que pela lei de Moisés ela deveria apedrejada, mas o que Jesus faria diante do ocorrido o que ele recomendava diante desta situação.

Jesus conhecendo a maldade de seu  coração nada disse, mas eles insistiram até que Jesus se pôs de pé e disse que aquele que dentre eles não tivesse pecado fosse o primeiro a jogar a pedra e voltou a se sentar.
Aqueles homens refletiam uma imagem irreal, se mostravam homens de Deus, pessoas irrepreensíveis que seguiam e cumpriam a lei de Deus, mas isso não era a verdade e surpreendidos pelas palavras de Jesus, pois o Senhor os conhecia sabia o que cada um carregava em seu interior e acusados pela própria consciência, pois sabiam que como aquela mulher também pecavam e que não eram perfeitos e assim um à um foi deixando a presença de Jesus ficando somente Jesus e a mulher.   

Nosso interior, nosso coração é como uma janela que deveria refletir fora o que está do lado de dentro, mas muitas vezes teimamos em deixar a janela suja ou refletimos uma outra imagem  diferente da real daquilo que sou, que penso,de como eu  ajo e sinto, mas Deus é Aquele que vê o oculto e dEle nada escapa, Ele sabe o que carregamos em nosso interior e quem verdadeiramente somos.

E é por isso que devemos manter a nossa janela limpa e não nada melhor para isto que o trabalhar do  Espirito Santo em nós, pois Ele jogará luz em nossas trevas nos revelará quem somos e aquilo que precisa ser mudado em nós para que possamos refletir verdadeiramente a Jesus.



De volta ao quarto

... Arrepende-te e volta...
Apocalipse 2.4-5


Abro os olhos e você é o meu primeiro pensamento, me levanto, me ajoelho aos pés da cama converso contigo, deito rapidamente em seu colinho, mas apressada prossigo e nem percebo que não ouvi a sua voz e que em minha pressa não deixei você falar comigo.
Sigo minha monótona rotina e aquela sensação de que falta alguma coisa, ou melhor, um vazio persiste por todo dia. Sinto-me triste e penso que não era isso que eu queria, não era essa isso que tínhamos combinado pela manhã, pois na verdade o quero é sentir Sua presença ao meu lado a cada segundo e então me lembro de que na minha pressa esqueci-me de pegar em sua mão, de deixar você me carregar em seu colo, percebi que “você ficou para trás” e então aflita eu corro e volto para quarto e você está lá esperando por mim, como é bom poder voltar para teu colo, como é bom estar contigo Senhor.

Anualmente os pais de Jesus iam para Jerusalém para a festa de páscoa e quando o Senhor completou doze anos subiu ele e seus pais a Jerusalém como era de costume. Tudo correu como devia e terminados os dias da festa era preciso regressar e então recolheram tudo se prepararam e seguiram de volta ao lar. José e Maria já havia percorrido um dia de viagem quando deram pela falta de Jesus e então o procuraram entre os seus parentes e companheiros de viagem, mas não o encontraram, Jesus não havia vindo com eles e então o jeito era volta para trás para Jerusalém para procurar o menino. Três dias depois acharam Jesus no tempo no meio dos doutores e sua mãe o questiona dizendo por que ele havia feito isso, pois ela e José estavam muito aflitos a procura dele. Jesus então responde a sua mãe por que ela estava o procurando se cumpria ele estar ali, em outras palavras  meu lugar é aqui, você que me deixaram para trás. Maria e José não entenderam o que Jesus estava querendo dizer e maravilhas pela inteligente de Jesus e por ver ele em meio aos doutores pegaram o menino e seguiram seu destino rumo ao lar doce lar.


Não há nada que se compara a presença de Jesus, não há nada neste mundo melhor que do que desfrutar de Sua presença, mas através da vida de Maria e Jose eu aprendo que assim como eles eu muitas vezes deixo Jesus para trás acabo meu ocupando com coisas e não me dedico mais em oração e intimidade com ele e foco mais no material  do que em minha vida espiritual .
Mas através da vida deles também  aprendo que por mais que seu esteja longe de Jesus, por mais que eu já tenha percorrido um longo caminho sem Ele sempre há como voltar atrás, pois não há distancia capaz de nos separar dEle e de Seu amor basta só eu tomar uma atitude e voltar e Ele estará lá a minha espera.